Tome cuidado com Perturbações Internas

Placa de Não Perturbe

Depois que publiquei o Autodesenvolvimento, vários tópicos importantes foram deixados para trás. Não achei que eles estivessem maduros o suficiente para os colocar no livro e, além disso, eu tinha um cronograma a seguir, algo que impus a mim. Como um desenvolvedor por coração, se eu fosse de esperar para obter o livro perfeito, bom, eu não tinha publicado nada.

Interrupções internas

O desenvolvimento é uma atividade técnica e criativo, através da qual o desenvolvedor quer expressar o seu conhecimento. Leva tempo para colocar a criatividade e o conhecimento para trabalhar. É preciso tempo para chegar ao pico de maior foco e maior produtividade. Há uma série de requisitos para o ambiente: ele deve ter boa iluminação e temperatura. Deve ser confortável. Deve ter alguma renovação de ar e, finalmente, deve estar livre de interrupções.

Dito isto, há um outro ambiente que também deve atender a isto. É o ambiente interno, dentro da cabeça de todos. A mente deve estar calma, livre de interrupções internas, pensamentos difusos e problemas pessoais.

Eu não estou dizendo que um desenvolvedor não deve ficar animado. Isso é muito bom. Eu estou dizendo que ele não deve ter a cabeça cheia de coisas para resolver, problemas para lidar ou situações que exigem pensar em alguma maneira de sair fora dela. Vários problemas recorrentes assustar os desenvolvedores. Vamos tentar listar alguns bons exemplos.

Finanças Pessoais

Mantendo um bom acompanhamento das finanças pessoais é uma das chaves para uma carreira saudável e próspera. Este problema assombra novatos e desenvolvedores experientes.

Por quê? Pessoas com alguma falta de equilíbrio em suas finanças pessoais têm uma visão turva do que eles devem fazer no trabalho: eles continuam a pensar em maneiras de fechar o buraco em suas finanças. Além disso, eles têm uma maior tendência para pedir aumentos mais frequentes do que eles merecem. E mais dinheiro não traz qualquer motivação extra: é apenas um alívio da dor que não irá torná-los motivados trabalhar mais.

Esta é uma espiral descendente. Mais contas conduz a uma menor motivação e foco, menos motivação e foco leva a diminuir o desempenho e diminuir os resultados. Isto, por sua vez, frequentemente deverá conduzir a um menor pagamento ou pior, poderá levar nenhum pagamento.

O oposto disso é o sujeito que quer economizar cada centavo que ele recebe. Normalmente, esse sujeito esquece-se de aproveitar a vida, para de investir em si e de fazer as coisas que gosta. Na marra, esse cara mantém quase uma vida monástica, sem nunca ter desejado isso.

Há vários livros, sites e listas por aí, todos muito bons e confiáveis com informações sobre como alguém deve encontrar um bom equilíbrio em suas contas. Eu não vou pretendo publicar “mais outras 10 dicas de organização de Finanças Pesoais“. A ideia deve ser o de convencer o desenvolvedor que é importante prestar atenção a este tema, para que ele possa evitar pensar em problemas financeiros, em vez de problemas técnicos.

Principalmente porque resolver problemas técnicos pode trazer mais dinheiro.

O medo de ser demitido

Esta é uma das maiores dores de cabeça de cada desenvolvedor.

Para os iniciantes, ele sabe muito pouco, trabalha duro e mesmo assim não compreende o seu redor. Ele tem mais perguntas do que pode responder. O desenvolvedor novato acha tudo novo e  assustador e tem sobre si uma pressão para ter sucesso. Isto leva a um total de medo de fazer algo errado e leva o desenvolvedor para um estado tão terrível de baixa produtividade que ele acaba perdendo o emprego.

Este medo vem do nada, na maioria das vezes. O desenvolvedor acha que ele foi contratado para ter todas as respostas. Não é verdade. Se tudo o que deveria ter sido desenvolvido até agora já tivesse sido desenvolvido, bem, não haveria qualquer necessidade para uma atividade de desenvolvimento. Ela só existe porque há coisas ainda a serem desenvolvidas.

Dito isto, é possível concluir que, se há coisas a serem feitas também existem questões a serem respondidas. Existem produtos a serem feitas. Há erros a serem resolvidos. Um desenvolvedor novato deve sempre pensar dessa forma e também pensar que se ele foi honesto na entrevista, quem o contratou deve estar ciente de que ele sabe ou não sabe.

Por último, isto também assombra desenvolvedores experientes. Eles podem começar a temer que eles estão com salário alto demais. Este é fácil de resolver: se uma empresa tem uma regra para cortar despesas por demissão dos bons profissionais mais experientes (no caso, aqueles que têm grande experiência e proficiência), essa empresa provavelmente não é um bom lugar para trabalhar. Se o desenvolvedor é demitido, pode até ser bom para ele, para deixar um lugar tão ruim.

Comparar-se com os Outros

Algumas pessoas estão felizes em seus empregos. Eles estão felizes com o seu salário. Eles são produtivos e satisfeitos. Um dia, este desenvolvedor ouve que alguém (um antigo colega, por exemplo) está recebendo um pagamento elevado pelo que ele faz. Ele fica realmente frustrado, perde o interesse em seu trabalho e, bem, o resto que é muito bem conhecido.

A primeira coisa que as pessoas costumam comparar são salários. Não é preciso ser um especialista em RH para saber que o mesmo trabalho no mesmo nível terá um pagamento semelhante em todas as empresas. Quando as empresas dizem que pagam sobre o mercado, não é mais do que 10-15%. Além disso, talvez o outro profissional esteja em um mercado diferente, tenha diferentes responsabilidades e, infelizmente, as pessoas também mentem sobre isso. Um desenvolvedor deve saber que as empresas  não estão por aí jogando dinheiro pela janela.

Assim, é aconselhável que se um desenvolvedor está feliz com sua vida, ele deve esquecer os outros, o pagamento os outros, os objetivos dos outros. O desenvolvedor deve se concentrar em sua própria satisfação com seus próprios resultados. Ele deve medir-se contra os seus próprios objetivos. Deixe os outros ser o que os outros querem. Sentir-se estúpido por comparação é a própria estupidez.

Creative Commons License

Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Sobre rftafas 183 Artigos
Ricardo F. Tafas Jr é Engenheiro Eletricista pela UFRGS com ênfase em Sistemas Digitais e mestre em Engenharia Elétrica pela PUC com ênfase em Gestão de Sistemas de Telecomunicações. É também escritor e autor do livro Autodesenvolvimento para Desenvolvedores. Possui +10 anos de experiência na gestão de P&D e de times de engenharia e +13 anos no desenvolvimento de sistemas embarcados. Seus maiores interesses são aplicação de RH Estratégico, Gestão de Inovação e Tecnologia Embarcada como diferenciais competitivos e também em Sistemas Digitais de alto desempenho em FPGA. Atualmente, é editor e escreve para o "Repositório” (http://161.35.234.217), é membro do editorial do Embarcados (https://embarcados.com.br) e é Especialista em Gestão de P&D e Inovação pela Repo Dinâmica - Aceleradora de Produtos.
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments